Serigrafia, Sublimação e Fotocerâmica. Qual o melhor processo para personalizar objetos cerâmicos?

Serigrafia, Sublimação e Fotocerâmica. Qual o melhor processo para personalizar objetos cerâmicos?

Entenda as diferenças entre as técnicas de impressão em serigrafia, sublimação e fotocerâmica e saiba escolher qual o melhor processo para o seu negócio.

Ao pensar na inovação de seus processos, muitas empresas procuram expandir sua atuação em diferentes mercados ou na variação da sua oferta. Neste cenário o mercado de produtos personalizados é um nicho muito procurado.

No entanto, o desconhecimento das técnicas e materiais utilizados para a impressão destes produtos podem gerar certa confusão e limitar o potencial destes mercados.

Para cada área de atuação existe uma técnica apropriada, que trará o melhor custo benefício e as melhores margens.

Serigrafia, sublimação e fotocerâmica são técnicas de impressão porém com efeitos e finalidades distintas

No caso de produtos que tenham como base a porcelana ou a cerâmica, por exemplo, o mercado oferece três possibilidades de impressão para a personalização destes objetos – a serigrafia, a sublimação e a fotocerâmica.

Nos três processos a intenção é a mesma, por meio da impressão, fazer o pigmento aderir à superfície do objeto para personalizá-lo.

No entanto, as condições operacionais para se imprimir em cerâmica ou porcelana exigem procedimentos específicos para que a personalização saia conforme o planejado, ou seja, mantenham sua cor e a durabilidade da imagem por muito tempo.

E é aí que as técnicas começam a se diferenciar. Para clarificar todos estes pontos e contribuir para que você tenha sucesso em seu negócio reunimos algumas dicas e esclarecimentos sobre estas três técnicas, pontuando as características de cada uma.

Confira a seguir dicas para dominar a técnica e obter sucesso na personalização de objetos tanto cerâmicos como de porcelana.

Serigrafia, sublimação e fotocerâmica, descubra qual a melhor técnica para o seu segmento.

Serigrafia

Neste processo o desenho é impresso por serigrafia em uma tela plana, depois copiada por uma almofada de silicone para depois ser transferida para o objeto. O produto personalizado, passa por um processo de queima em alta temperatura e por um período determinado para se fundir ao objeto e assim estar pronto para a comercialização.

Um dos benefícios da serigrafia está na aplicação de relevo a este desenho, uma vez que ela permite depósitos de tinta relativamente espessos no produto final, por conta de um processo que chamamos de tampográfico.

Grandes indústrias fazem uso desta técnica, com o objetivo de atender mercados como o hoteleiro e redes de restaurantes, que oferecem peças de cerâmica ou porcelana identificados com sua marca.

Indústria de louças para uso doméstico também fazem uso da técnica, como é o caso de conjuntos de café e jantar de marcas tradicionais.

A principal vantagem do processo de impressão em serigrafia com relação aos demais é a possibilidade de realizá-lo em superfícies escuras, enquanto nas demais, o fundo da cerâmica ou porcelana precisa ser claro.

Em contrapartida, como ponto negativo da técnica, está a menor qualidade de impressão e o limite de cores, em especial se estivermos trabalhando com a reprodução de fotos no objeto (para este fim nem se recomenda o uso, uma vez que os resultados serão muito ruins). Também não é possível manter um padrão visual único, uma vez que o tom das cores pode variar em cada objeto ao longo da impressão.

Perde-se em detalhes no desenho, uma vez que não ela permite o uso de degradê e as linhas de impressão podem ficar muito grossas.

Além disso, economicamente falando, a técnica também apresenta alguns pontos negativos. Não vale a pena para a produção de pequenas quantidades, uma vez que cada cor utilizará de uma tela diferente, e cada uma delas tem um custo fixo, o que vai elevar o preço para a impressão de poucas unidades. Além disso, em geral, a tela é desperdiçada após o uso, pois cada trabalho tem uma arte diferente.

Também se terá pouco aproveitamento de material e o tempo de produção da peça será muito alto. O que pode resultar em uma ineficiência produtiva.

Sublimação

No processo de sublimação não existem telas. Esta técnica de impressão utiliza de tinta sublimática e deve ser impressa em papel sublimático para depois ser transferida para a peça, com a necessidade de se utilizar prensas e moldes específicos para cada produto.

Aplicados tempo, pressão e queima específica a tinta sublimática passará para o estado gasoso e atingirá o produto gerando a gravação do desenho na peça.

Neste ponto é importante ressaltar que os produtos finais em cerâmica ou porcelana precisam ser especiais para sublimação, recebendo um tratamento especial com uma resina. Isto faz com que você tenha um uso limitado de peças, e um custo maior no produto. Caso contrário a gravação não ocorrerá.

Além disso, a técnica também limita o tipo de peça que você aplica, pois necessita de uma prensa no formato exato do objeto. Por exemplo, para decorar uma caneca, você vai precisar de uma prensa especifica pra caneca. Já se for o interesse, aplicar a técnica em azulejo, você precisará de outra prensa específica para esta peça, e por aí por diante.

Embora atraentes para o mercado de brindes promocionais, uma vez que a técnica é a mais barata se comparada aos outros processos, ela é pouco resistente e não indicada para ambientes externos, temperaturas elevadas e a exposição da luz solar, além da imagem arranhar facilmente e desbotar em pouco tempo. Também não é indicada para pequenos utensílios, uma vez que, o produto resultante desta técnica não pode ir para o microondas, máquina de lavar louças ou ainda ser lavado com esponjas abrasivas.

A reprodução não apresenta cores vivas, o espaço de impressão é limitado – onde cabem apenas desenhos localizados – exige que os objetos cerâmicos sejam resinados, e não é possível imprimir em superfícies escuras.

Com relação aos seus processos produtivos, o custo para se produzir pequenas ou muitas quantidades não irá variar muito unitariamente, porém quanto maior a quantidade, maior o gasto de energia das prensas.

Fotocerâmica

A fotocerâmica é a técnica mais indicada para impressão em cerâmica ou porcelana, pois é concebida para este fim.

Por conta disso, se seu interesse for a personalização de objetos cerâmicos e de porcelana, entre serigrafia, sublimação e fotocerâmica, a presente técnica é a que apresenta os melhores diferenciais.

A fotocerâmica é um processo simples de impressão, que não requer matrizes ou telas, apenas uma impressora que utilize de toner cerâmico, papel específico para sua impressão e um forno para fusão da imagem ao objeto.

O transfer é aplicado no objeto e passa por um processo de queima, onde a imagem se funde ao objeto, penetrando profundamente nele.

Fato que garante a alta qualidade, durabilidade da impressão, cores vivas e resistentes às intempéries do tempo, podendo ficar em ambientes externos, ir ao forno, microondas, máquinas de lavar louças, e outros fins.

A alta qualidade e reprodução das imagens e fotos nos objetos é um dos diferenciais mais latentes. Além disso, não há limitação na superfície que será personalizada, podendo ser usada tanto dentro como fora da peça. Porém ainda exige que a superfície do objeto seja clara.

A eficiência produtiva é outro diferencial. Apesar do investimento tecnológico, representado pela impressora, ser mais elevado se comparado ao processo de sublimação, a possibilidade de se agregar valor aos produtos finais, amplia consideravelmente as margens e os ganhos na comercialização destes produtos. Sem contar na economia gerada com o maior aproveitamento de material.

A impressão é rápida e a queima também. O que dá ao empresário do setor possibilidades de atender qualquer demanda, tanto pequenas (a partir de 1 peça) quanto grandes quantidades de forma extremamente ágil.

Por conta destes benefícios, a impressão fotocerâmica, é indicada para diversos segmentos. Partindo da impressão de fotos para lápides, e adentrando em outros mercados como a decoração, a arquitetura, ateliers, brindes e conjuntos de louças personalizados.

Com este panorama geral sobre as técnicas de serigrafia, sublimação e fotocerâmica você certamente já adquiriu uma boa base de conhecimentos. Fato que lhe permitirá decidir com segurança sobre o processo que se melhor se adequa às suas necessidades.

Leve em consideração os pontos fortes e fracos de cada técnica para você poder tirar o melhor proveito em sua área de atuação, otimizar seus investimentos e oferecer serviços de agradem pela alta qualidade e confiança que seus clientes depositarão no seu negócio.

Palavras-chave